Depressão e sexualidade

Sentir-se triste, irritado, cansado, sem interesse nas coisas pode ser normal em determinados momentos da vida. Se esta situação se prolongar ao longo do tempo e se tornar incontrolável e dominar sua situação de vida, certamente estaremos enfrentando uma depressão clínica.

A depressão afeta o relacionamento do casal em duas frentes: a do relacionamento pessoal e a do relacionamento sexual. O estimulante sexual feminino tesão de vaca pode lhe ajudar nisso.

A pessoa depressiva trava em si mesma e tem uma tendência a evitar o contato com os outros. Sua frustração é derramada no casal em que ele descarrega sua raiva e irritação. A falta de desejo se torna mútua, o contato é evitado mesmo que não seja com intenção sexual e isso agrava ainda mais o relacionamento.

Anedonia é um dos principais sintomas da depressão. Consiste na incapacidade de desfrutar das coisas e sentir prazer. Isso acontece em todas as áreas vitais, como lazer ou família. Quando atinge a esfera sexual, a diminuição ou ausência de libido torna-se patente.

Às vezes, a pessoa depressiva procura relações sexuais mais esporádicas, tentando resolver esse problema. No entanto, em um estudo publicado no Journal of Sex Research encontra mais estado depressivo em homens após relações esporádicas. Não é assim quando os relacionamentos são consolidados. Deve-se ter em mente que este estudo foi conduzido pessoalmente com um diagnóstico de depressão prévia, o que não significa que relacionamentos esporádicos causem depressão.

Leia também: fazer uma mulher gozar

Se ao humor patológico acrescentamos os medicamentos habituais para tratar a depressão, geralmente antidepressivos tricíclicos ou inibidores seletivos da recaptação da serotonina, os efeitos nocivos na esfera sexual. Isso produz disfunção erétil, anorgasmia, diminuição da libido. Mais raramente, efeitos contrários podem ocorrer: priapismo, transtorno de excitação sustentada em mulheres, ejaculação precoce, etc.

Modificar o estilo de vida, tentar dar um passeio, praticar esportes é um grande passo para recuperar a vida social. Com relação ao seu parceiro, você deve tentar agendar atividades em conjunto mesmo que sejam períodos curtos de tempo. Procure por momentos íntimos, embora não seja necessário acabar em atividade conjugal, basta procurar o seu contato, ele irá beneficiar tanto de você.

Você deve consultar seu psiquiatra sobre os problemas sexuais que você encontra, a fim de fazê-lo ajustar os medicamentos que toma. Também está comprovado que controlar ou tratar, mesmo com medicação, os problemas sexuais que surgem com depressão ou seu tratamento, melhora a recuperação desses pacientes.

Se você é o parceiro de uma pessoa deprimida, a primeira coisa que você deve ter é paciência e compreensão. Seu parceiro, embora às vezes parece, não é contra você. Você deve ouvi-lo, encorajar sua auto-estima, reforçá-lo positivamente. Se você foi a um profissional, colabore nas atividades propostas.

Dúvidas sobre tratamentos para disfunções sexuais

Apesar da enorme difusão que podemos encontrar na imprensa, rádio ou internet, nos tratamento para a disfunção erétil, continuamos a encontrar muita confusão sobre seus efeitos ou quem pode se beneficiar de seu uso.

Primeiro de tudo, uma avaliação completa das causas da disfunção erétil deve ser feita. Como qualquer outra patologia, dependendo da causa, aplicamos um tratamento ou outro. Devemos fugir das propagandas em que os mesmos tratamentos são oferecidos, independentemente da origem do problema.

Podemos, de maneira muito geral, classificar as causas da disfunção erétil em física e psicológica, embora na maioria das vezes as encontremos juntas. As causas físicas vêm de tudo o que pode danificar os vasos sanguíneos ou o tecido vascular do pênis, bem como sua inervação neurológica.

É por isso que nós temos que fazer um estudo personalizado avaliar a presença de hipertensão, doença vascular, hipercolesterolemia, hipertrigliceridemia, hiperglicemia, problemas hormonais (tireóide, testosterona, prolactina), neuropatias, trauma pélvico ou área genital, etc. Também é necessária uma avaliação psicológica na esfera sexual: sentimentos, expectativas, necessidades, relação de casal, etc.

Sobre os medicamentos que temos para a disfunção erétil, um dos resultados mais simples e sem resultados ruins seria a avaliação cuidadosa do paciente para redirecionar os hábitos de vida e o ajuste de medicamentos. Conselhos sobre perda de peso, hábitos nutricionais, repouso nocturno, eliminação de toxinas (tabaco, álcool) ou actividade física, podem ser a solução para problemas sexuais.

Se tivermos que suplementar com o uso de medicamentos, o Viagra é o nome que vem à mente de todos. Para simplificar, direi que existem quatro medicamentos para a disfunção erétil no Brasil, cujos nomes genéricos são: Sildenafila, Vardenafil, Tadalafino e Avanafilo. Todos eles trabalham da mesma maneira, eles tentam relaxar o músculo liso dos corpos cavernosos do pênis para favorecer a ereção. A diferença entre um e outro é o tempo de ação, a velocidade com que ele age ou a potência de seus efeitos.

Por que usamos um ou outro dependerá do que vimos no estudo do paciente: a causa de sua disfunção, suas expectativas sexuais e sua tolerância a um produto ou outro. Alguns deles são usados ​​sob demanda, isto é, quando eles vão fazer sexo e outros podem ser usados ​​diariamente. São medicamentos com um alto índice de segurança e o falso mito de que causam problemas cardíacos deve ser banido.

Fica claro que os pacientes não podem ser indicados para este tipo de medicação, que geralmente é muito pequena. Nesses medicamentos, é fundamental saber que, se não houver estímulo sexual adequado, eles não funcionarão.

Existem outros medicamentos tópicos de distribuição, como o alprostadil. Existem duas apresentações no mercado para administrá-lo intra-uretralmente, uma é Muse® na qual a medicação é apresentada como um mini-grupo a ser introduzido na uretra e a outra é Virirec® cuja apresentação é um gel muito fluido.

A ação é baseada no fato de que essa substância se difunde da uretra para os tecidos dos corpos cavernosos, produzindo a vasodilatação necessária para uma ereção. Ao contrário dos outros medicamentos, neste caso, não é necessária estimulação sexual para que a ereção ocorra. O alprostadil também existe na forma injetável para ser administrado diretamente nos corpos cavernosos, e seu nome comercial é Caverject®. Embora possa causar alguma rejeição para injetar algo no pênis,

Aproveitando o sucesso desses medicamentos, trabalhamos na busca de tratamentos para disfunções femininas. A disfunção feminina mais comum é a diminuição do desejo sexual. Nos Estados Unidos, foi feita uma tentativa de comercializar um produto chamado flibanserin para tratar este problema. A FDA americana derrubou sua saída para o mercado porque os estudos realizados não tinham a força necessária em sua utilidade.

Finalmente a molécula foi comprada por outros laboratórios que apostaram nela. Soma-se a isso a pressão dos grupos de mulheres que demandavam mais pesquisas e tratamentos para disfunções sexuais femininas, já que havia mais de 20 produtos para homens e nenhum para mulheres.

Apesar de popularizar o flibanserin como “Viagra feminino”, nada está mais longe da realidade. Este medicamento foi investigado como antidepressivo e é nessa área, a do sistema nervoso central, onde atua. Não tem atividade ao nível dos órgãos sexuais. Assim como medicamentos para homens podem ser usados ​​sob demanda quando eles vão ter relações sexuais, a flibanserina é um tratamento contínuo de longo prazo.

Sua comercialização européia ainda não foi autorizada, mas teremos que estar atentos aos resultados obtidos nos EUA. Nos estudos que foram publicados, o que parece ser sucesso não é a melhora do desejo sexual, mas o número de relacionamentos satisfatórios. Por isso, é necessário ter muito cuidado com as expectativas deste produto.

A melhor opção na solução de seus problemas sexuais é um profissional que cobre o conhecimento necessário em todos os campos, físico e psicológico. Não tenha medo ou vergonha de ir e contar seus problemas. Esperar ou usar remédios que você viu online ou prescritos para um amigo não são boas opções e podem até agravar o seu problema.

Dicas de saúde para evitar impotência no homem

Muitos homens podem passar por problemas de impotência, na verdade os homens devem ficar alerta a esse problema pois a maioria esta relacionada a sua saúde.

Para melhorar a impotência de forma mais saudável possível, veja algumas dicas de saúde para evitar esse problema que ronda a vida do homem.

Dicas para melhorar a saúde e a disfunção

As dicas mostradas a seguir, irão ajudar a melhorar sua saúde no dia a dia. Isso pode levar um tempo de acordo com cada organismo e seu quadro.

Se você procura por resultados mais rápidos, você pode usar creme para tratar impotência ou suplementos naturais.

Segue as dicas:

Controle da pressão arterial

A hipertensão arterial pode ser um causador de problemas na ereção. Isso porque quando a pressão é alta, os vasos sanguíneos, diminuem o fluxo sanguíneo pelo corpo. Se menos vai para o pênis mais difícil se torna obter uma ereção duradoura. É bom sempre verificar como anda sua pressão, além disso pode fazer bem para saúde também.

Reduzir o colesterol alto

Quando o colesterol se acumula nos vasos sanguíneos, faz com que eles se estreitem, o que pode retardar o fluxo sanguíneo. Com os vasos sanguíneos obstruídos, com certeza vai prejudicar  a chegada do sangue até o pênis, dificultando assim ter uma boa ereção. Se você tem histórico de colesterol alto, é bom ficar sempre de olho e procurar um médico e um nutricionista para melhorar o quadro.

Controle da diabete

melhorando a saúde

Você pode ter impotência sexual se não cuidar da sua diabetes. Isso porque o açúcar elevado no sangue pode danificar os nervos e vasos sanguíneos em seu pênis. Converse com seu médico sobre maneiras de controlar seu diabetes para que você possa voltar ao ritmo.

Parar de fumar faz bem

Fumar nunca vai te ajudar em nada em questão de saúde, então este não deveria ser o principal motivo para você parar de fumar. Para fumantes, a chance de sofrer de impotência sexual é duas vezes maior, sem contar os diversos malefícios que ele traz a saúde.

Fumar machuca sua vida sexual porque estreita seus vasos sanguíneos. Além disso, os medicamentos para disfunção erétil podem não funcionar tão bem para os homens que fumam.

Modere nas bebidas alcoólicas

Beber antes de fazer sexo nem sempre funciona. Mais do que uma bebida ou duas podem atenuar sua libido, suavizar sua ereção ou dificultar o orgasmo. Se o álcool está causando sua impotência, ele provavelmente desaparecerá quando você cortar ou parar de beber.

Exercícios regulares

Exercícios regulares sempre vão fazer bem para a saúde de quem pratica, para a saúde sexual não é diferente, pode beneficiar e muito.

Exercícios regulares ajuda o coração e os vasos sanguíneos a manterem-se saudáveis, reduz o peso, reduz o stress e, em geral, faz com que se sinta bem. Pesquisadores descobriram que até mesmo 30 minutos por dia ajuda prevenir impotência sexual.